Músicas
27 de novembro de 2017
Fala minha gente, tudo certo? Em novembro deste ano (2017, se você é um visitante do futuro), Taylor Swift lançou seu sexto álbum de estúdio, Reputation. Eu estava um pouco animada com o álbum, pois os dois singles (Look What You Made Me Do e … Ready for It) me deixaram bem curiosa em saber mais sobre as músicas. Outra coisa que eu gosto muito nos álbuns da Taylor são os prólogos que ela faz. Em cada prólogo ela fala um pouco das inspirações de cada álbum e isso é bom para conhecer um pouco sobre o artista e o final do prólogo é algo que me atingiu no fundo do útero e me fez pensar sobre as pessoas que conhecemos. Afinal, nem todas elas nos conhecem de verdade e você não conhece seus amigos de verdade, conhece a parte que eles gostam de mostrar.

Achamos que conhecemos alguém, mas a verdade é que só conhecemos a versão deles que eles escolheram para nos mostrar. Não haverá outra explicação, haverá apenas reputação.

A faixa que abre o álbum é … Ready for It e é uma das minhas favoritas. Adorei este estilo mais hip hop, com uma batida bem marcante e achei que seria mais o estilo do álbum, mas não foi. Porém não tem problema, pois as músicas são bem diferentes e mostra várias versões da Taylor. A segunda faixa é End Game, com participação de Ed Sheeran e Future. O que eu gostei bastante desta música é que ela é um R&B que é gostoso de ouvir e de cantar no carro hahaha. Sim, já pensei em dirigir ao som de End Game depois de ouvir a música duas vezes. Não me julguem.

“Eu juro que não amo o drama, ele que me ama” (End Game)

I Did Something Bad, a terceira faixa do disco, é aquela que tem um refrão chiclete. Não tão chiclete como em Look What You Made Me Do, mas é aquela música que você vai ficar cantarolando o refrão o dia inteiro. A quarta faixa, Don’t Blame Me (Blame it on the night ah ah hahaha desculpa, eu tinha que fazer esta brincadeira) tem uma batida que me lembrou bastante filmes antigos com muito dubstep na trilha sonora e pessoas cantando enquanto estalam os dedos.

“Não me culpe, seu amor me deixou louca, se não deixou, você não está fazendo isso direito” (Don’t Blame Me)

Delicate é uma música que, quando eu ouvi pela primeira vez, achei bem enjoativa e não gostei, ao contrário de Look What ou Made Me Do. Na sexta faixa do álbum e primeiro single, a batida pop é muito mais forte e bem presente.

“Querido, eu me levantei dos mortos, faço isto o tempo todo” (Look What You Made Me Do)

O CD tem uma pegada bem pop, seguindo a vibe de 1989 e Red. As letras estão mil vezes mais maduras, o que me agradou bastante. Porém, confesso que o CD não me ganhou de primeira. Claro que tiveram músicas que eu fiquei apaixonada logo de cara, como Getaway Car e Call it What You Want, assim como tem músicas que eu dei segunda chance e gostei, como Gorgeous e King of My Heart.
Uma coisa que eu achei bem positiva nessa evolução da Taylor são, como mencionei antes, as letras mais marcantes com uma batida que chega a ser levemente enjoativa. Gostei bastante do CD, mas, mesmo mostrando uma enorme evolução da Taylor, não me agradou tanto quanto eu achei que agradaria.
Compre a sua cópia:
AmazonLivraria da FolhaSaraivaLivraria Cultura
Juki

Graduanda em letras e canceriana de 22 anos na identidade, mesmo com cara de 17. Apaixonada por games, música e literatura, viciada em animes e mangás e louca por chocolate.