Animações
24 de julho de 2017

E aí galera, tudo certo com vocês? Estou escrevendo este post depois de que passou um bom tempo da animação e eu consegui ficar menos afobada. E eu confesso que não me lembro quase nada dos jogos de Castlevania. Lembro de jogar escondida da minha mãe, pois se não ela ia falar que meus pesadelos eram por conta do jogo (e nem eram na verdade). Mas enfim, a Netflix resolveu nos presentear com a animação maravilhosa do jogo e agora estou aqui com uma resenha para vocês!

Diretor: Sam Deats

Produtores: Toshiyuki Hiruma, Brad Graeber, Jason Williams

Produção: Frederator Studios, Powerhouse Animation Studios, Shankar Animation, Project 51 Productions, Mua Film

Distribuição: Netflix

Sinopse: Um caçador de vampiros luta para salvar uma cidade sitiada por um exército de criaturas sobrenaturais controladas por Drácula.

Gênero: Animação adulta, Horror, Aventura

A história

O seriado começa com a jovem Lisa indo até a casa do Drácula na Valáquia, em 1455. O Conde concorda em ajudá-la, porém, Lisa deverá ajudá-lo a se conectar com a humanidade. E, com isso, os dois acabam se apaixonando e começam um romance. Porém, vocês sabem que no Século XV a caça às bruxas era algo intenso e muitas mulheres foram acusadas de bruxaria e acabaram indo para a fogueira. E é exatamente isso o que acontece com Lisa: 20 anos depois a jovem é condenada à fogueira acusada de bruxaria.

Com isso, o Drácula fica muito revoltado, já que a Lisa era a única humana que ele amava de verdade e que fazia ele suportar os humanos. Após o corpo de Lisa virar cinzas, o vampiro aparece na cerimônia fazendo uma transmissão pelo fogo, dizendo que os humanos tinham um ano para saírem de Valáquia ou todos vão morrer. Porém Alucard, filho de Drácula e Lisa, diz para o pai se vingar somente do homem que matou Lisa. O vampiro não escuta e ataca o filho de raiva.

Um ano depois, tem uma festa em Valáquia para ironizar o comunicado do Drácula. Eis que o vampirão bolado chama criaturas para matar todo mundo nesta festa, incluindo o Arcebispo que condenou Lisa.

Após essa confusão toda, os rumores se espalham e em um bar homens começam a culpar todos os nobres, incluindo os Belmont. Trevor, o único herdeiro da família de caçadores de monstro, cai no meio de uma treta entre a Igreja e os Speakers (ordem antiga que quer preservar a tradição oral).

A adaptação

Muita gente fica com muito medo de adaptações. Porém, eu gostei bastante dessa. Mesmo que eu não lembre quase nada da franquia, percebi que a Netflix juntou vários jogos da série na animação de uma forma incrível. A animação ficou muito bem produzida, as vozes encaixaram nos personagens e cada um tem sua individualidade.

O Drácula é aquele vilão que você entende o propósito dele, ainda mais se você conhecer a história dos jogos. Trevor é aquele cara bem filho da mãe que tem sempre uma resposta na ponta da língua e que arrancou muitas gargalhadas minhas. Sério, geral estava morrendo e eu chorando de rir com uma piada dele.

Nota final

ASSISTAM. Sério. A animação ficou incrível, as cenas ficaram incríveis e eu tenho certeza que vocês vão gostar. Apenas digo que: se vocês não gostam de ver sangue, tripas, olhos voando e outras coisas do gênero, não assistam. A Netflix deixou essas cenas bem explícitas para dar mais fidelidade ao jogo.

E vocês, já assistiram? Gostaram da animação? Se interessaram? Vem conversar comigo enquanto a segunda temporada não chega!

Juki

Graduanda em letras e canceriana de 22 anos na identidade, mesmo com cara de 17. Apaixonada por games, música e literatura, viciada em animes e mangás e louca por chocolate.